segunda-feira, 11 de julho de 2011

paradoxais


paradoxais
                  (para 
                           dor: 
                                  sais)


boquiaberto contemplamos
a vida que passa
vazia e orgulhosa de si


deslumbrados
gritos e palmas
ao nada dito com requinte


Oh Lua! Oh Azul! Oh Pétalas!
Coach! Coach! Coach!
........................................
Não são os parnasianos, Manoel.
Só medíocres poetas...
(saindo da métrica)



Nenhum comentário:

Postar um comentário