segunda-feira, 5 de abril de 2010

morte



morte

a última poesia escorreu
morna
entre arestas pdas de tempo


calada por toda uma vida
foge a última lágrima

liberta-se o grito
(e o último suspiro)









Nenhum comentário:

Postar um comentário