sábado, 6 de setembro de 2008

na calada da noite




na calada da noite
as palavras deitam-se
cobrindo as bocas de beijos

uma palavra nua
poetisou sua luxúria
e pulsava o visgo madrugada a dentro

Nenhum comentário:

Postar um comentário